A AIDS NO BRASIL:

 

Tabela 1 - Taxas médias de incidência de aids (100.000 hab.) por categoria populacional
(município segundo número de habitantes e período de tempo. Brasil, 1987-1996

Categoria populacional
(Nş hab)

Período de tempo

1987-1989

1990-1992

1993-1996

0 - 50.000

50.001 - 200.000

200.001 - 500.000

500.001 e mais

0,56

2,31

6,45

10,93

1,87

7,73

17,17

24,70

4,03

13,92

27,30

32,40

Total

4,68

11,74

17,56

Desde 1980, até 03/06/2000, 190.949 casos foram registrados na Coordenação Nacional de DST e Aids. Desses, 6.750 são crianças, 139.502 são adultos do sexo masculino e 44.697 do sexo feminino (Ministério da Saúde, 2000).

A partir de estudos de prevalência do HIV em gestantes, nos três cortes realizados nos anos de 1997 e 1998, estimou-se, para o ano de 1998, que cerca de 530 mil indivíduos, na faixa etária de 15 a 49 anos, estavam infectados pelo HIV. O grupo-sentinela das gestantes foi selecionado para estimação das prevalências da infecção pelo HIV por ser considerado, preferencialmente, apesar das restrições, o grupo cujas taxas mais se aproximam daquelas apresentadas pelas mulheres na população geral; sendo o número de infectados do sexo masculino calculado com base nas razões de sexo entre taxas de incidência acumuladas preditas para o ano 2003, próximas a 2 homens:1 mulher 

Essas estimativas, discriminadas por sexo e macrorregião, estão dispostas na figura 4.

Nos últimos anos, a epidemia da infecção pelo HIV/aids no Brasil vem apresentando mudanças também nos níveis de agregação demográfica.

No ano de 1984, 71% dos casos notificados no Brasil eram referentes a homo/bissexuais masculinos. Progressivamente, observou-se a redução da participação dessa subcategoria de exposição que, em 1999/2000, é de 22%.. Essa tendência pode ser observada em todas as regiões do Brasil (Ministério da Saúde, 2000).

 

 

O aumento de casos por via heterossexual fez-se acompanhar de uma expressiva participação das mulheres no perfil epidemiológico da doença, constatada na progressiva redução da razão de sexo entre todas as categorias de exposição, de 24 homens : 1 mulher, em 1985, para 2 homens : 1 mulher, em 1999/2000.

 

 

Enquanto os maiores aumentos relativos dos casos em mulheres são observados em todas as regiões do Brasil, já vem sendo observada uma desaceleração do crescimento da epidemia entre os homens na região Sudeste (Szwarcwald et al., 1999).

Uma das conseqüências diretas dessa maior participação feminina é o progressivo aumento da transmissão vertical. A primeira ocorrência de transmissão perinatal, registrada no Brasil, foi em 1985. Daí, até 03/06/2000, foram notificados 5.409 casos a partir dessa forma de transmissão (Ministério da Saúde, 2000).

Estima-se que 12.898 gestantes estão infectadas pelo vírus da imunodeficiência humana, com base nos estudos-sentinela da infecção pelo HIV realizados no Brasil. Esse número corresponde a 0,4% do total das gestantes. Dessas, apenas 2.512 receberam zidovudina injetável no momento do parto, o que corresponde, apenas, a 19,5% do número estimado de gestantes infectadas. Considerando a disponibilidade contínua da zidovudina injetável nos serviços públicos de saúde, o qual as gestantes, na sua maioria, aceitam se submeter ao diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV, se oferecido e, quando infectadas, é rara a recusa em receber a zidovudina, não seria de se esperar tão pequeno percentual recebendo o medicamento injetável durante o parto (Veloso et al. 1999). Diante dessa situação, encontra-se, no Brasil, em fase de implantação, a Vigilância de Gestantes HIV+ e Crianças Expostas que possibilitará, desde o rastreamento da infecção no pré-natal, condição inicial para o desencadeamento das ações profiláticas, até a mensuração da prevalência da infecção infantil, produto final e indicador de impacto das ações profiláticas desenvolvidas. Além disso, o acompanhamento contínuo da prevalência da infecção entre as gestantes fornece um indicador mais representativo da infecção entre as mulheres, uma vez que tem base populacional, possibilitando a detecção precoce de flutuações da prevalência e/ou alterações do perfil epidemiológico da infecção (Ministério da Saúde, 2000).

 

A predominância da transmissão perinatal nos casos pediátricos tem modificado o perfil etário das ocorrências dos mesmos. No período de 84 a 87, 21 das crianças notificadas tinham de 0 a 4 anos, enquanto que em 1999/2000, 84% dos casos pediátricos estavam nesse grupo etário.

Desde o início da epidemia, o grupo etário mais atingido, em ambos os sexos, tem sido o de 20 a 39 anos, perfazendo 70% do total de casos de aids notificados até 03/06/2000 (Ministério da Saúde, 2000).

A escolaridade tem sido utilizada como uma variável auxiliar (proxi), na tentativa de se traçar o perfil socieconômico dos casos notificados, embora ainda seja elevado o percentual de casos com escolaridade ignorada. Até 1982, a totalidade dos casos com escolaridade conhecida era de nível superior ou com até 11 anos de estudo. Nos anos subseqüentes, observou-se a tendência de aumento no registro de casos com menor grau de escolaridade. Em 1999/2000, entre os casos com escolaridade reconhecida, observou-se que 74% dos casos eram analfabetos ou tinham até 8 anos de escolaridade, e apenas 26% tinham mais de 11 anos de escolaridade ou curso superior (Ministério da Saúde, 2000).

 

 

 

 

Ainda em relação à escolaridade, observa-se que a incidência de casos vem aumentando tanto em homens quanto em mulheres com até 8 anos de escolaridade. Entre os indivíduos com mais de 8 anos de escolaridade, observa-se que os casos diminuem no sexo masculino, o mesmo não acontecendo no sexo feminino (Tabela 2).

 

 

 

A transmissão sangüínea do HIV em hemofílicos e em indivíduos que receberam transfusão de sangue, segmento populacional intensamente atingido no início da epidemia, vem apresentando um importante declínio ao longo do tempo. Essa queda é conseqüência do rigoroso controle do sangue e hemoderivados, adotado principalmente a partir da disponibilidade dos testes laboratoriais para detecção de anticorpos anti-HIV. Essas subcategorias representavam 62% da categoria de exposição sangüínea, em 1984, e 0,9 %, em 1999/2000. Por outro lado, observa-se uma rápida e extensa difusão dos casos de usuários de drogas injetáveis em determinadas áreas geográficas. Em 1984, 37% dos casos de aids por transmissão sangüínea eram atribuídos, pelo compartilhamento de agulhas e seringas, ao uso de drogas injetáveis. Essa subcategoria, em 1999/2000, já representava 99% das ocorrências por transmissão sangüínea (Ministério da Saúde, 2000).

 

 

 

A predominância da transmissão perinatal nos casos pediátricos tem modificado o perfil etário das ocorrências dos mesmos. No período de 84 a 87, 21% das crianças notificadas tinham de 0 a 4 anos, enquanto que em 1999/2000, 86% dos casos pediátricos estavam nesse grupo etário.

Desde o início da epidemia, o grupo etário mais atingido, em ambos os sexos, tem sido o de 20 a 39 anos, perfazendo 70% do total de casos de aids notificados até 03/06/2000 (Ministério da Saúde, 2000).

A escolaridade tem sido utilizada como uma variável auxiliar (proxi), na tentativa de se traçar o perfil socieconômico dos casos notificados, embora ainda seja elevado o percentual de casos com escolaridade ignorada. Até 1982, a totalidade dos casos com escolaridade conhecida era de nível superior ou com até 11 anos de estudo. Nos anos subseqüentes, observou-se a tendência de aumento no registro de casos com menor grau de escolaridade. Em 1999/2000, entre os casos com escolaridade reconhecida, observou-se que 74% dos casos eram analfabetos ou tinham até 8 anos de escolaridade, e apenas 26% tinham mais de 11 anos de escolaridade ou curso superior (Ministério da Saúde, 2000).

 

 

 

 

Em que pese os progressos alcançados na redução da mortalidade, o impacto da aids ainda é muito grande na mortalidade em adultos em idade produtiva, sendo a 4Ş causa de óbito no grupo de 20 a 49 anos, no ano de 1996. Esse impacto nessa faixa etária tem, ainda, como conseqüência, um grande número de órfãos, estimado em 29.929 (Tabela 3), e todos os problemas acarretados por essa situação.

 

 

Tabela 3 - Estimativas e projeções do número acumulado de órfãos decorrentes
da aids materna por grande região. Brasil, 1978 - 1999.

 

Região

Nş acumulado de órfãos

Norte

Nordeste

Sudeste

Sul

Centro-Oeste

1.180

3.987

19.722

3.148

1.892

Total

29.929

 

 

 

Os avanços da terapia anti-retroviral obrigam a vigilância epidemiológica a repensar sua prática, uma vez que a simples consolidação dos dados de aids não mais espelha a realidade da epidemia, antes reflete o modo como a transmissão do HIV ocorria há alguns anos. A tendência, com as profilaxias e tratamentos atuais, é de que as pessoas com o HIV permaneçam indefinidamente nesta condição, sem preencherem os critérios de definição de caso de aids, e sem serem notificados, acarreta distorções na interpretação da evolução da epidemia e dificulta as atividades de planejamento das ações de prevenção e assistência. Em decorrência destes avanços, a vigilância epidemiológica vem ampliando suas atividades no campo do monitoramento da infecção pelo HIV.

Na busca de se identificar fatores que possam estar contribuindo com essa situação, a Pesquisa sobre o Comportamento Sexual da População Brasileira e Percepção do Risco para o HIV/Aids (Berquó et al. 1999) foi conduzida em 183 microrregiões urbanas do País, no ano de 1998, em uma amostra de 3.600 indivíduos de 16 a 65 anos. Essa pesquisa mostrou que 80% das pessoas, dos 16 aos 65 anos, são sexualmente ativas, sendo os homens mais ativos sexualmente (87%) do que as mulheres (72%). Na faixa etária dos 26 aos 40 anos, estão 89% da população sexualmente ativa. Do total de pessoas sexualmente ativas, 81% tinham relações estáveis nos últimos 12 meses anteriores à pesquisa, 6% tinham relações eventuais e 13% mantinham os dois tipos de relação. No referido período, 71% das mulheres tiveram relações sexuais com um único parceiro, contra 46% dos homens. Cerca de 35% das pessoas mantiveram relações sexuais com dois ou mais parceiros e 6% tiveram mais de cinco parceiros no período.

Essa mesma pesquisa demonstrou que grande parte da população já se "sentiu" exposta à infecção, e 20% fizeram exame sorológico para a infecção pelo HIV, em serviços públicos ou privados. A faixa etária que mais procurou os testes foi a de 26 a 40 anos.

Em relação ao uso de preservativos, 64% da população sexualmente ativa disseram ter usado ou estar usando o preservativo, nos últimos 12 meses. Sendo que, entre os jovens, esse percentual chega a 87%. Um dado que chama atenção é que 48% dos que disseram estar usando ou ter usado o preservativo o fizeram pela primeira vez nos últimos 5 anos, demonstrando uma adesão crescente na utilização desse método de prevenção. Dados da indústria dos

preservativos demonstram que, em 1992, eram comercializados, no Brasil, 50 milhões de unidades/ano, chegando esse número a 300 milhões em 1998.

A Pesquisa Comportamental de Conscritos de Exército Brasileiro, realizada por ocasião da apresentação dos mesmos, no ano de 1998, em três extratos compostos por: a) municípios de 5 estados do Norte e Centro-oeste; b) municípios dos estados da região Sul; e c) municípios do Rio de Janeiro e São Paulo), coletou informações sobre condições socioeconômicas, práticas sexuais, uso de drogas injetáveis e problemas relacionados às infecções sexualmente transmissíveis, permitindo associá-las, pela primeira vez, aos resultados de exames sorológicos para infecção pelo HIV.

Entre os resultados dessa pesquisa, pode-se verificar que os conscritos residentes no Norte e Centro-oeste possuíam menor renda familiar, mais baixo nível de instrução, maior taxa de atividade sexual, idade mais precoce de início do relacionamento sexual, maior número de parceiros no último ano, menor taxa de uso de preservativo, maior percentual de uso de drogas injetáveis e maiores taxas de infecções sexualmente transmitidas. Foi também nesse estrato que se encontrou a maior proporção de infectados pelo HIV (0,2%).

A pesquisa apontou, ainda, que uma alta proporção de conscritos usaram preservativo na última relação sexual. Analisando-se o uso do preservativo nos últimos 12 meses, observou-se que o utilização diminui quando o parceiro é fixo, aumentando progressivamente se o parceiro é casual, pagante ou pago. Ainda, o uso do preservativo aumenta, ainda, de acordo com o grau de escolaridade.

Quanto ao uso de drogas injetáveis, observou-se que essa prática diminui quando cresce o grau de escolaridade.

Essa pesquisa identificou a escolaridade como a variável com maior poder explicativo das diferenças relativas às práticas sociais de risco (Szwarcwald CL., et al. 1999). Os seus resultados corroboram os estudos realizados em outros países que mostraram que jovens adolescentes de baixo nível de instrução e baixo nível socioeconômico são os mais suscetíveis às doenças sexualmente transmissíveis. A análise apontou, assim, para a importância da implementação de programas para adolescentes voltados para prevenção de comportamentos sexuais de risco.

 

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. BASTOS FI., e SZWARCWALD CL. Aids e pauperização: principais conceitos e evidências empíricas sobre a epidemia da aids no Brasil: distintas abordagens, p. 07-19. Brasília, 1999.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. BERQUÓ E. et al. Comportamento Sexual da População Brasileira e Percepções do HIV/AIDS – Relatório final (mimeo). Brasília.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. GOMES MRO. Mortalidade por aids no Brasil – atualização até 1997. Boletim Epidemiológico – Aids XII, Semana Epidemiológica 48/1998 – 08/1999. Brasília, 1999.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim Epidemiológico – Aids XII: 9 – 15 Semana Epidemiológica – 35-47, setembro/novembro. Brasília, 1999.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Implantação da Vigilância de Gestantes HIV+ e Crianças Expostas (mimeo). Brasília, 2000.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SZWARCWALD CL., et al. Aids: O Mapa Ecológico do Brasil, 1982-1994. A epidemia da aids no Brasil: situação e tendências, p. 27-44. Brasília, 1997.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SZWARCWALD CL. A Disseminação da Epidemia de Aids no Brasil no Período de 1987-1996: Uma Análise Espacial. Sobre a epidemia da aids no Brasil: distintas abordagens 55-60. Brasília, 1999.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SZWARCWALD CL. Estimativa do número de órfãos decorrentes da aids materna, Brasil, 1987-1999, uma nota técnica. Boletim Epidemiológico – Aids XII: 9 - 15, Semana Epidemiológica – 35-47, setembro/novembro.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SZWARCWALD CL. Comportamento de Risco dos Conscritos do Exército Brasileiro, 1998: Uma apreciação da infecção pelo HIV segundo diferenciais socieconômicos. Sobre a epidemia da aids no Brasil: distintas abordagens, p. 121-140. Brasília, 1998.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SZWARCWALD CL., e CASTILHO E A., (1999) Estimativa do número de pessoas de 15 a 49 anos infectadas pelo HIV, Brasil, 1998: uma nota técnica. In: Boletim Epidemiológico – Aids XII: 7-10 Semana Epidemiológica – 09-21, março/maio, Brasília, 1998.

 

voltar